Wednesday, June 12, 2013

Post-Digital - Interview for Wire (WPP Magazine)



Wire- ''The idea' has always been the kernel of the most effective creativity. Has that changed in any way, and is the idea constrained or liberated by the introduction of digital to the media mix?

Ricardo - In my opinion ‘The idea’ will always be at the heart of any business that relies on surprising, inspiring and persuading people. In the past the format of the idea used to be a message to be spread in a media mix, now it’s more about how people experience it as a brand behavior. So considering that communication and services are something naturally very tangible by the people, definitely technology and creative PR intelligence are great to push it to a more convincing place.

Wire - Technology skills to execute campaigns are now highly valued; does that imply a devaluation of the creative mind?

Ricardo - No, it’s the opposite. In my opinion technology is not for specialists; it’s part of the creative repertoire to design communication and business solutions in a modern world. For me technology is like geography, physics, mathematics; language, it goes through everybody’s lives. It can be used as a conduit or a magic hat by creative minds and surely it can become jewelry when well crafted by good specialists.

Wire -  Do creative people have to think differently to produce campaigns that operate across a range of digital as well as conventional media?

Ricardo - Definitely, Yes.  The success of a creative idea nowadays isn’t only about the accuracy of the message but also how people join the idea journey, partner with it and amplify the awareness. All of these depends on how you execute the idea considering connections between people, things and places. What people used to call digital in the old ages nowadays is at the heart of creating awareness.


Wire -  Measurement and analytics are hallmarks of digital marketing: how can they be reconciled with the power of ideas? 

Ricardo - It allows us not only to collect results but guide any changes in real time considering the real environment, real perception and real stimulus from the audience immediately and overtime.

Wire -  Has the nature of the message irretrievably changed, now that interaction is so fundamental to digital marketing?


Ricardo - No it hasn’t changed. Messages, point of views, statements or even an iconic attitude is pretty much what people relate to, even hundreds of years ago. Jesus Christ did it, Muhammed did it, Martin Luther king, Obama, Apple, Psy.  This is what drives affinity, desire and inspiration. The reason we communicate hasn't changed, but the delivery system has, and it will continue to evolve as  the world changes. For example I'm still trying to find the best way to be more effective on my messages to my 5 years old son. 

Sunday, August 14, 2011

If the advertising world had a hero. He was Bill Benbach.

Bill Bernbach, ad legend
Bill Bernbach, ad legend 

I think the interview below is very enough to say why Benbach was the number one, still is and will be for a long time.

I copied the "interview" in my blog from Advertising Age to don't loose it in the time and share with you.

Thanks to Adage for sharing this and for the brilliant initiative. 


---------------------------------


In Search of Bernbach, Advertising's Greatest Thinker

An Interview in Honor of Ad Legend's 100th Birthday

Editor's note: Aug. 13 would mark the 100th birthday of advertising legend Bill Bernbach. He was named the single most influential person in advertising in the 20th century by Ad Age, but unlike others in the industry, Mr. Bernbach didn't leave behind an opus in book form. So David Andrew Lloyd took it upon himself to track down the man and "interview" him.]
To learn the secret behind such classics as his Volkswagen "Think Small" ads and Avis "We Try Harder" campaign, I decided I must find Bill Bernbach, the leading force behind the Creative Revolution.

He had the ability to analyze a product's qualities, and extract its raw personal emotion. He knew a place where he could actually touch the human soul.
With his American Tourister Gorilla as my guide, we traveled over the Mountain of Focus Group Research, through the dark Jungle of Behavioral Sciences and past the Tomb of the Unknown Edsel. Eventually, we found Bernbach in the Valley of Intuition, celebrating his 100th birthday.*
LLOYD: What's the key element for developing effective advertising?
BERNBACH: The purpose of advertising ... is to sell. If that goal doesn't permeate every idea you get, every word you write, every picture you take, you're phony, and you ought to get out of the business.
LLOYD: Then how did you justify your radical style of showing empty bottles in ads, teeth marks in Levy's bread, models without smiles?


Bernbach talked Avis into embracing its No. 2 position.
BERNBACH: I realized that the growth of television, along with all the existing media, would result in consumers being bombarded with more messages than they could absorb. So the advertiser would have to deliver his message in a different way -- memorably and artfully -- if he was going to be "chosen" by the consumer. LLOYD: What was wrong with the old scientific approach?
BERNBACH: I warn you against believing that advertising is a science. Artistry is what counts. The business is filled with great technicians, and unfortunately they talk the best game ... but there's one little problem. Advertising happens to be an art, not a science.
LLOYD: Sounds blasphemous.
BERNBACH: The more you research, the more you play it safe, and the more you waste money. Research inevitably leads to conformity.
LLOYD: At least you won't offend anyone.
BERNBACH: (Laughing) Eighty-five percent of all ads don't even get looked at. Think of it! You and I are the most extravagant people in the world. Who else is spending billions of dollars and getting absolutely nothing in return? We were worried about whether or not the American public loves us. They don't even hate us. They just ignore us.
LLOYD: So how do you get into that desirable 15%?
BERNBACH: The only difference is an intangible thing that businessmen are so suspicious of, this thing called artistry. ... Try riding the bus ... and you just watch the people with Life magazine flipping though the pages at $60,000 a page, and not stopping and looking. The only thing that can stop them is this thing called artistry that says, "Stop, look, this is interesting."
LLOYD: Shouldn't market research improve those odds?
BERNBACH: Research can be dangerous. It should give you facts and not make judgments for you. ... We are too busy measuring public opinion that we forget we can mold it.
LLOYD: Advertisers still need to judge their ideas against something tangible.
BERNBACH: I have found, by and large -- I know this is heresy -- the better the marketing man, the poorer the judge of an ad. That's because he wants to be sure of everything, and you can't be sure of everything.
LLOYD: Doesn't it seem logical to test your ads?
BERNBACH: (Grinning.) I'm beginning to believe, incidentally, that logic is one of the great obstacles to progress.
LLOYD: How do you suggest advertisers make their "guesses" accurate?
BERNBACH: Know his product inside and out. Your cleverness must stem from knowledge of the product. ... It's hard to write well about something you know little about.
LLOYD: Ha! That's research. Why can't you admit advertising is a science?
BERNBACH: (Annoyed.) The greatest advances in the history of science came from scientists' intuition. Listen to one of the greatest scientific minds talking on the subject of physicists. "The supreme task of the physicist is to arrive at those universal elementary laws from which the cosmos can be built up by pure deduction. There is no logical path to these laws. Only intuition can reach them." The scientist's name was Albert Einstein, the greatest scientist of them all!


Volkswagen ads are often held up as examples of the height of the creative revolution.
LLOYD: Nevertheless, clients want to feel secure before spending their money. BERNBACH: In advertising the big problem facing the client is that he wants to be sure that his new campaign is foolproof. Even we can't be sure that there are certain things that an ad must contain. They are no more predictable than that a play will be a hit or a book a best seller.
LLOYD: Can you blame them for being cautious?
BERNBACH: Playing it safe can be the most dangerous thing you can do.
LLOYD: It's their money. It's their right to make that decision.
BERNBACH: We don't permit the client to give us ground rules. It's bad for the client.
LLOYD: Come on, Bill. That's a bit egotistical.
BERNBACH: I don't mean to be arrogant, but we have deep convictions about our work, and we believe that one of the greatest services we can give the client is to honestly state our convictions.
LLOYD: You've influenced some of the biggest names in advertising, but even you must admit the "creative revolution" brought about some irrelevant zaniness.
BERNBACH: The trouble with a lot of our emulators is they just put cleverness down. A picture of a man standing on his head would get attention, but the reader would feel tricked by the gimmick -- unless we were trying to sell a gadget to keep change in his pocket.
LLOYD: You were legendary for hiring young, untested talent and turning them into superstars. But, considering the economy, how would you overlook their inevitable blunders?
BERNBACH: (Smiling.) You know, something that's almost like a mistake is what gets a person's attention.
LLOYD: If everything you tell me is true, why are there so many bad ads?
BERNBACH: Urged by the instinct to survive and the habit of eating, they go along with guidance they don't really believe in. The result is inevitable: Work without conviction, work without effectiveness, work without personality, work that is cold arithmetic instead of warm persuasion.


*Answers are actual Bernbach quotes.

Bernbach talked Avis into embracing its No. 2 position. Volkswagen ads are often held up as examples of the height of the creative revolution.

Wednesday, May 18, 2011

Football and Advertising in UK

Recentemente fui convidado a escrever para uma coluna de uma revista que é como se fosse a versão européia da "meio digital" ou MaxiMídia. A revista é irmã da Campaign Magazine e do mesmo grupo Brand Republic. A coluna sempre convida um diretor de criação da Europa trimestralmente para falar de trabalhos recentes que ele gostou. A única restrição é que o trabalho descrito nunca pode ser do autor do artigo e as campanhas tem que ter o core digital. 
Espero que gostem. Aliás tem duas campanhas brasileiras homenageadas ;)





Friday, May 06, 2011

Alo, alo... testando...


Depois de ter deixado meio às traças esse querido cantinho. Hoje volto a retomá-lp e confesso que não foi por falta de assunto que eu sumi, ao contrário. Não tive tempo de outra coisa desde agosto do ano passado que não fosse cuidar do novo trabalho, da nova vida e da família. Sabe aquela história do garçon carregando um monte de pratos ao mesmo tempo? Pois é tive que deixar o blog para uma segunda rodada, senão ia cair prato com certeza. E vc sabe qdo cai um prato grande, cai tudo.

Mas agora retomo com mais tranquilidade e cheeeeeeio de assunto ou melhor conclusões públicas. Mesmo que elas mudem no dia seguinte, afinal quem fica parado é pedra e quem se leva a sério demais acaba virando. Aliás é assim que as coisas funcionam na minha cabeça, assim que elas são melhor assimiladas. Quando escrevo elas passam a fazer mais sentido, mesmo as bobagens :)
 É como se eu contasse pra mim mesmo as coisas que eu vivo pra organizar minha cabeça mesmo que isso signifique desorganizar o que estava antes.

Tuesday, May 25, 2010

O Ministério da Corrupção - Ordem e Progresso


Essa semana ouvi na CBN uma informação que me chocou enquanto eu dirigia. Foi feita uma pesquisa baseada nos últimos 5 anos e descobriu-se que a média de dinheiro desviado dos cofres públicos brasileiros é em torno de 73 bilhões por ano. Isso sem contar dinheiro de propina. O fato é que é impossível ficar inerte a essa informação.

Fiquei pensando durante o percurso enquanto ficava preso no trânsito o que poderia ser feito para evitar isso. É óbvio que o primeiro estímulo na cabeça é o mais radical possível, mas pera lá, revolta pura não resolve nada. Nunca resolveu na Argentina e em nenhum lugar do mundo.

Putz e se isso fosse um briefing? O que a gente poderia criar para resolver, minimizar ou mesmo erradicar esse problema.

Mas já que em todo brainstorm vale pensar em qualquer coisa, vamos lá.
Acho que a primeira coisa seria transformar essa história num negócio onde o responsável pelo business ganharia muito dinheiro à medida que o problema fosse sendo resolvido.

Putz, já pensou se a gente criasse o Ministério da Corrupção? O primeiro Ministério-Empresa do Brasil. Trata-se do bom e velho jogo da iniciativa privada onde o que prevalece é o resultado.

As regras seriam as seguintes:
O Ministério seria uma empresa de empreendedores e o governo não pagaria um centavo sequer para mantê-la, ou seja, ela se manteria pelas suas próprias condições e investimentos.
A forma de renda seria literalmente uma porcentagem de 10% de todo o dinheiro recuperado, sem tributação. Isso significa que dos 73 bilhões de reais perdidos por ano o Ministério poderia ganhar até 7 bilhões de receita limpa e livre de impostos uma vez que o dinheiro teóricamente já é do governo.


Obs.: cada empresa só poderia ter no máximo 2 anos de atuação, pois no Brasil seriam capazes de criar uma outra empresa geradora de corrupção só pra esse business ter vida longa.

E você, qual sua idéia?

Corrupção -http://pt.wikipedia.org/wiki/Corrupcao

Wednesday, April 21, 2010

Novas Diretas Já - A Plebicitocracia Digital

Semana passada voltei de Londres com a cabeça muito adrenalizada, a ponto de não conseguir pregar os olhos por sequer 30 minutos seguidos durante o vôo. Após várias reuniões sobre a indústria mobile global fiquei completamente absorto com as informações sobre esta nova realidade e o seu impacto na sociedade. Seja na Europa, na África, no mundo inteiro a influência do computador de bolso tem mudado e muito a relação entre as coisas e as pessoas.

Graças a um vício chato que eu tenho de não conseguir deixar de paralelizar a realidade brasileira silenciosamente toda vez que estou estudando um briefing de outros mercados, surgiu na minha cabeça uma discussão ou um pensamento paralelo no mínimo interessante.

A questão começou a partir do momento que o nosso "público-alvo" não era mais definido por demografia e nem tão-pouco definição territorial. Trocando em miúdos, nosso mercado em discussão não era um país mas uma nação composta por auto-identificação e valores.

Foi aí que o Brasil com "s" começou a aparecer paralelamente na minha cabeça. A foto imaginária era a seguinte: Um país de quase 190 milhões de habitantes onde essas pessoas são portadoras de quase 180 milhões de celulares. Uma verdadeira nação formada por pessoas contactáveis.

Agora imagine que um celular por mais simples ou "pé-de-boi" que seja, é capaz de enviar mensagens ou operar um portal de voz. Disso surge uma nova poderação. Poderia ser ou já seria o celular a maior ferramenta de conexão entre o cidadão brasileiro e o Estado?

Será que um dia a nossa conhecida urna eletrônica poderia ser uma simples aplicação "mobile"?  Com isso em vez de gerar filas, deslocamento e um alto custo operacional as urnas se tornariam uma aplicação de celular instalada remotamente no bolso dessas centenas de milhões de brasileiros.

É claro que essa discussão é conceitual e por isso não vou nem entrar em questões de segurança para não atrapalhar o questionamento, até porque o melhor da discussão na minha opinião ainda está por vir.

Bom, supondo que as pessoas seriam capazes de participar de eleições e votarem em alguém uma vez a cada quatro anos sentado no sofá das suas casas, porque essas pessoas precisariam escolher alguém para votar tudo por elas? Será que o botão de "sim/não" do plenário não poderia ser substituido por um de mesma função no celular das pessoas? Afinal seriam 180 milhões de votos.

Será que daqui há alguns anos ouviremos nas ruas novamente o grito de Diretas Já? Será que um dia o povo chamará de fato a responsabilidade pra si e reinventará o conceito de representação social?

É engraçado eu só ter tido tempo pra escrever esse post hoje, que é aniversário de Brasília. Um lugar incrível e maravilhoso que sofre tanto pela inconsequência dessas criaturas que ainda apertam os botões por nós.


PS.: Dedico esse post ao guerreiro das Diretas Já, Ulysses Guimarães. Uma pessoa que sempre admirei e com quem tive a oportunidade de trabalhar aos 18 anos de idade em Brasília.

Sunday, January 10, 2010

Motivos para acordar cedo demais nas férias


(clique na imagem para ver inteira e ampliada)

Acordei sem querer cedo demais nesse dia. Demais mesmo. Algo como 5:40 da manhã.
Olhei pela janela para tentar imaginar que horas eram, pois o meu celular que é o meu despertador oficial de cabeceira, tinha perdido totalmente a função nessas férias, aliás ele também estava de férias. Basta dizer que na casa em que ficamos não pegava o sinal da minha operadora, nem para falar e muito menos para acessar internet. Então logo deixei pra lá esse vício de bolso nos primeiros dias em que cheguei nas férias.

"Cheguei" nas férias mesmo. As férias esse ano não era um tempo, era um lugar, isolado e muito ensolarado, me propiciando a falta de contato com o meu  cotidiano e um excesso de contato com a minha família e a família da minha família. E quem disse que "excesso" não faz bem, tá louco. Isso fez tudo ser muito diferente, especial.

Basta dizer que acordar praticamente de madrugada foi bom. E foi mesmo, porque me fez presenciar  esse cenário. Aliás, não me restou dúvidas de que o mínimo que eu deveria fazer era vestir uma bermuda imediatamente, passar a mão na câmera e andar uns 200 metros que separavam a minha cama da areia da praia, mesmo a essa hora da manhã. Aqui vai o caminho até chegar...


(clique na imagem para ver inteira e ampliada)

No caminho, o chão foi se transformando, da grama do jardim veio a calçada, ladeada do asfalto da rua e em pouco tempo a areia úmida do sereno ajudava a construir uma sensação única e maravilhosa de compartilhar só com a própria natureza esse momento tão mágico.

De repente, a última duna. Antes de chegar o mar e o céu, criou-se um contraste incrível na minha vista, era uma sensação de tudo ou nada, de terra firme e não.


(clique na imagem para ver inteira e ampliada)

Pronto, nada mais havia entre mim e isso tudo. É estranho a sensação de fotografar algo tão comum como o nascer do sol, mas ao mesmo tempo, é tão maravilhosa e única a sensação de testemunhar esses instantes.

E pensar que todos os dias, sem exceção, esse fenômeno acontece. Só posso falar uma coisa: como a gente é medíocre de reclamar de acordar cedo. Porque será que a gente nunca consegue equilibrar as nossas necessidades no dia-a-dia. Sei lá, talvez se eu equilibrasse mais a minha vida essa cena não seria esse tapa tão forte na minha cara.


(clique na imagem para ver inteira e ampliada)
 
De repente olho pro lado e vejo alguém. Não estou mais sozinho. Um senhor se aproxima do mar com muito menos cerimônia do que eu e adentra a água gelada do mar de Santa Catarina com a mesma naturalidade com que adentro o edifício em que a trabalho lá no Real Parque. A diferença é que o dia-a-dia dele não é mais analógico do que o meu, é orgânico.

Aliás poucas vezes senti tão forte essa sensação do "orgânico" na vida. Não da palavra em si, mas do que se sente quando o significado realmente se faz presente de forma sinestésica, a ponto de você sentir isso na pele. A primeira vez que isso tinha me acontecido, essa consciência de de ser vivo, incrivelmente vivo, foi ao acompanhar a gravidez da Lili, minha esposa, e por fim com intensidade plena no nascimento do João Pedro, meu filho.

É incrível como este lugar, quase de madrugada, me traz novamente um bocado dessa sensação do quanto a gente é "bicho". Na verdade acho que um pouco diferente, é como se nós fossemos filho da terra, digo filho do chão mesmo, igual a um alface, uma batata ou uma mandioca.

De qualquer forma, é uma pena que apesar das cores incríveis, o nascer do sol tenha ficado tão gasto no mundo da fotografia, já que é tão raro de ser vivenciado no dia-a-dia.

E lá vai o senhor que chegou na praia, e lança a sua rede para pescar.







(clique na imagem para ver inteira e ampliada)

Novamente minha atenção volta para luzes, texturas, riqueza de contrastes que se formam com o entrar bem devagarinho das outras cores na paisagem. Cada minuto é uma palheta de cor mais incrível que a outra. É como se fosse feita uma revelação minuciosa da composição de como o mundo é construído. E lá vai um pouquinho mais de ciano ...



(clique na imagem para ver inteira e ampliada)
 
Outra descoberta às 6 da manhã..  Deus é impressionista :)




(clique na imagem para ver inteira e ampliada)

Agora a vida, as cores e o movimento em "terra firme" começa a se manifestar, mas a natureza ainda resiste. O nevoeiro ao longe mostra a Terra respirando.









(clique na imagem para ver inteira e ampliada)
 
E mais um dia começa a acontecer. Vai deixando de ser "o dia" para ser um dia.




Decidi ir embora antes de tudo voltar ao normal. Não é que eu vou virar abóbora, mas quero me lembrar desse dia depois de acordar. Quero voltar pra casa ainda sob a luz do amanhecer e conseguir dormir como se fosse noite. Quer dizer, como se tivesse vivido um sonho pra me lembrar e ainda ter as fotos pra me ajudarem a contar sobre aquele dia que aconteceu no meio de uma noite de verão.

(clique na imagem para ver inteira e ampliada)


 
Local: Praia do Gi (ao lado de Laguna, conhecido como Laguna Internacional
Aproximadamente 105 km de Florianópolis (SC)

Santa Catarina

Tuesday, November 24, 2009

Useful Creativity by Ric Fig.



Never before, in such a short time, have we faced so many transformations. The technological revolution and globalization have reinvented geography, disregarded cultural, physical and even economical differences. The weirdest markets in the world have become the most stable and promising. And, believe it or not, all hope to obtain big scale of functional or emotional consumption, now comes from them.

We are living in a time incompatible with anything that is kept functioning by the force of habit, be it a company or a belief. The fact is that nobody, absolutely nobody, can afford to act by inertia in this new reality. More than ever, companies need to assimilate the new worldwide dynamic or they will be swallowed by its own obsolescence.

Oddly enough, the news is good, at least for the creative people. In fact, companies, governments and the whole world never needed creativity as much as today, either to approach people’s expectations or to simply appear on their radar of interests.

But what kind of “creativity” are we speculating about? Well, once these words go to an audience interested on advertising, probably the usual reference is the advertising creativity.
But what is the advertising creativity today other than the last step in companies’ strategic framework? It is a creative package that bundles a service or a product, already designed, to get in touch with the market and the people. This type of creativity became specialized in creating lenses – or special glasses - that suggest people will see things from a particular point of view, be it more sympathetic, more targeted, more humane or more pop.

Hence, a really interesting paradox arises. Customers and companies are asking for 3 wishes: faster, cheaper and more efficient. Based on this, imagine that we begin to revise our concepts.
Imagine how many steps could be eliminated and how much money could be better invested if the creative strategic thinking left the end of the line on business processes to create, with the companies, their products, services and, especially, to find their true vocation.
Imagine if the connection with the business of creativity was something far beyond taglines, banners or spots, or if, at least the starting point did not depend on them at all.
Now, imagine products and services created with native engagement, being desired even before they arrive on the shelves or before any industrial process is started. Imagine the brands’ potential to pursue its real interactive vocation. Imagine this as the starting point for dialogue and real communications with consumers instead of communications based only on media concepts.

Imagine also how different from the usual would be the activation work, propagation and seeding of this product in time to take it to the people. Not to mention its stickiness and finally the sustainability of investments and the efforts of all involved.
I confess it's very exciting to imagine this new scenario, full of new possibilities. But on the other hand, we can ask how many people are ready; or have “repertoire”, or mentality or even interest in offering a creative vision based on this scenario?

And, not to be partial, I also take this opportunity to think about the clients: are they interested in changing the corporate modus operandi? They want to build new strategies to improve their business? Would they like to share the creation of new royalties or patents for their companies? Do they want new partners, brave enough to run risks side-by-side?

Anyway, once again, it’s all about creativity, and creativity definitely is not a department. It is simply a necessary attitude in this new world so cruel towards the ordinary attitude. But the truth is: there is no right or wrong. There are only those who want to get out of the inertia. And you? Have you ever thought about this?

Article published on November 23rd at Meio&Mensagem.
Send your comments
http://twitter.com/ricardofigueira

Monday, November 23, 2009

Criatividade útil (artigo publicado no M&M - vs. português)




Nunca, em tão pouco tempo, havíamos sido testemunhas de tanta transformação. A revolução tecnológica e a globalização reinventaram a geografia, desrespeitaram as diferenças culturais, físicas e até mesmo econômicas. Os mercados mais esquisitos do mundo se tornaram os mais estáveis e promissores. Acredite ou não, é deles que vem a esperança de ter escala a toda e qualquer forma de consumo funcional ou emocional.

Vivemos um momento incompatível com o funcionamento de qualquer coisa que se mantenha pela força do hábito, seja uma empresa ou uma crença. O fato é que ninguém, absolutamente ninguém, seja pessoa física ou jurídica, pode mais se permitir atuar por inércia diante dessa nova realidade. E, mais do que nunca, as empresas precisam assimilar essa nova dinâmica do mundo ou serão engolidas pela sua própria obsolescência.

A notícia,por incrível que pareça é boa, ao menos para quem se considera criativo. De fato, as empresas, os governos e o mundo como um todo nunca precisaram tanto de criatividade quanto hoje, seja para se aproximar das expectativas das pessoas ou simplesmente para conseguir aparecer no radar de interesse delas.

Mas que criatividade é essa que estamos especulando? Como esse punhado de palavras se destina a uma revista especializada em propaganda, provavelmente a referência mais comum seja a criatividade publicitária. Mas o que é a criatividade publicitária hoje senão um último estágio no framework estratégico de uma empresa? É uma embalagem criativa que empacota um serviço ou um produto já concebido logo antes de ele entrar em contato com o mercado ou com o consumidor. Essa criatividade específica sempre foi especializada em criar lentes, ou seja, um óculos especial que sugere às pessoas enxergar as coisas sob um determinado ponto de vista, mais simpático, mais direcionado, mais humano e mais pop.

Daí surge um paradoxo no mínimo interessante. Puxa, tudo que os clientes pedem e querem hoje em dia resume-se a 3 desejos: mais rápido, mais barato e mais eficiente, no Brasil ou em qualquer lugar do mundo. Baseados nisso, imagine que comecemos a rever nossos conceitos.
Imagine quantas etapas poderiam ser queimadas e quanto dinheiro poderia ser mais bem investido se o pensamento estratégico criativo deixasse o fim da fila dos processos corporativos para criar, junto às empresas, os seus produtos, serviços e principalmente sua vocação. Imagine se a conexão do business com a criatividade fosse algo muito além de mensagem, conceito, anúncio, banner, filme e hotsite, ou que pelo menos o seu ponto de partida não dependesse de absolutamente nada disso. Imagine serviços e produtos com engajamento nativo, antes mesmo de chegar às prateleiras ou passar por qualquer processo industrial. Imagine o potencial que as marcas teriam ao pensar a sua real vocação interativa, imagine se isso fosse o ponto de partida da interlocução com os consumidores e não um substrato de um conceito de mídia.

Imagine também quão diferente do habitual seria o trabalho de ativação, propagação ou divulgação desse produto na hora de levá-lo ao consumidor. Sem falar da aderência estratégica, imagine, por fim, a sustentabilidade dos investimentos e dos esforços de todos os envolvidos.
É muito excitante imaginar um novo cenário, com novas possibilidades. Mas, por outro lado, nos perguntamos ainda com frio na barriga quantas pessoas estão preparadas, têm repertório, mentalidade ou até mesmo interesse em oferecer uma visão criativa nesse cenário?

E, para não ser parcial, aproveito para refletir também sobre os clientes: será que estão interessados em mudar o modus operandi corporativo? Em construir estratégias para aprimorar os seus business? Será que eles gostariam de compartilhar a criação de novos royalties ou de novas patentes para suas empresas? Quem sabe até ter novos sócios, corajosos o suficiente a ponto de correr riscos side-by-side?
Enfim, mais uma vez, é tudo uma questão de criatividade e criatividade definitivamente não é departamento. É simplesmente uma atitude necessária nesse novo mundo tão cruel com a acomodação. Mas a verdade é que não existe certo ou errado, existe quem está a fim de sair da inércia. E aí? Você já pensou a respeito?


Artigo Publicado no Meio & Mensagem no dia 23 de Novembro.
Fique a vontade para mandar sua opinião.

Wednesday, November 11, 2009

Post Chapa Branca - Andy Awards


Pessoal, estou sendo indicado como jurado ao Andy Awards (um dos maiores e mais inovadores festivais de comunicação do mundo).
Na verdade eu nem sabia disso e acabei de receber algumas mensagens de pessoas que me parabenizaram. Não sei como eles pegaram minha foto, dados, etc. Mas enfim... o fato é que já existem alguns brasileiros que vocês admiram por lá também. Se mesmo assim vocês acham que eu representaria bem o país neste júri, basta clicar aqui para votar http://electthejury.com/candidate/profile/261. Se não, vote só pela brodagem mesmo e depois me convida pra um almoço e aproveita pra me dizer o que eu preciso melhorar.
Haja almoço né...


Segue o link outra vez ;) http://electthejury.com/candidate/profile/261

Saturday, November 07, 2009

Criatividade Genuína

Dicionário do Humor Infantil, esse é o título de um livro que tive o prazer indescritível de conhecer. Pra minha tristeza, está praticamente impossível comprar um exemplar. Lugar nenhum tem, nem na internet. Se alguém souber como eu consigo um, para comprar ou fazer download por favor me avise.

Hoje o Domingos me mostrou esse livro quando estávamos discutindo sobre filhos e trabalho. A verdade é clara. Essa é uma das coisas mais geniais e maravilhosas que eu já vi. Por vários motivos, primeiro me mostrou algo que eu já tinha concluído e acreditava. Aliás, tenho pesquisado um bocado sobre isso: O uso da sua cabeça pra produzir criativamente abarrotada de informação e o uso da cabeça esvaziada de preceitos e principalmente de opiniões. Segundo porque é uma reconstrução nativa de conceitos, usa a compreensão primitiva para expô-los de uma forma totalmente pura e altamente significativa. Terceiro porque tenho vivido uma experiência de observação com meu filho pequeno que tem me ensinado muito, principalmente sobre comunicação. O nome do autor é Pedro Bloch. Ele quem anotou todas as frases que na verdade foram ditas por crianças.

Enfim, consegui um pedacinho do livro na própria internet. Apesar de ser incomparável com a riqueza da leitura das centenas de frases que o livro explora. As frases nos levam a um raciocínio simples, direto e autêntico na forma de enxergar as coisas.

Espero que gostem...

ABOLIÇÃO - É um coisa assinada pela Escrava Isaura / Todo mundo sabe o que é, mas eu espero é o dia da abolição das crianças
ABUSO - Mamãe acha qe eu vou ficar queimado e que eu abuso do sol. O sol é que abusa de mim.
ABSTRADO - Sim, eu sei o que é abstrato. Esta sopa, por exemplo, leva abstrado de tomate
ADULTO - É uma pessoa que sabe tudo, mas quando não sabe diz logo: "veja na enciclopédia". / É uma pessoa que tem desconfiômetro. / É uma pessoa que não entende de chuva, criança ou bala
AEROMOÇA - Será que eu posso dizer para mamãe, que quer ser aeromoça, que ela só pode ser aerovelha!
ÁFRICA - Não sei todos os países da África. Nasce um todos os dias.

ALEGRIA - É uma gargalhada pendurada na gente. / Ser alegre é achar graça até de coisas que são pra chorar. / Não cansa criança. O que cansa é mãe mandando parar. / É um palhacinho no coração da gente. / A maior alegria da minha vida foi eu ter nascido. / O meu irmão divide tudo comigo: brinquedo, sanduíche, sorvete e, até, a alegria dele./ Mãe boa é a que curte a alegria do filho. / É uma boca cheia de risadas.
ALEGRIA E TRISTEZA - Alegria de criança é uma coisa muito grande. Quando a alegria é demais, ela vira bagunça. Já tristeza não é bem assim a gente não estar alegre. É uma alegria zangada. / A coisa mais alegre do mundo é OVO DE PÁSCOA . A mais triste ainda não sei, poruqe sou muito pequeno e tenho muito para ver.
ALUNO - Melhor aluno? Contando de trás para diante sou eu mesmo. / Se eu sou um bom aluno? Sou o melhor dos piores e o pior dos melhores.
AMAR - É pensar no outro, mesmo quando a gente nem tá pensando.

Thursday, June 11, 2009

traditional media or traditional mind

Todo mundo tem criticado a mídia impressa impiedosamente. É bem verdade que o modelo de negócio baseado na venda de jornal, de papel, também não tem dado os sinais mais otimistas do mundo.

Eu particularmente não gosto muito dessas especulações que profetizam o fim das coisas boas. Mas negar que existe algum sentido nessa especulação também é ingenuidade. A Gazeta Mercantil por exemplo, infelizmente foi-se. O New York Times assumiu de vez a corrida alucinada na transformação do seu business de papel em conteúdo transmídia e vem de fato construindo uma fantástica plataforma de informação utilizando os meios mais diversificados, ricos e flexíveis possíveis.

Para piorar, no cenário de hoje, cinco minutos são suficientes para uma notícia ficar velha e além de tudo isso as pessoas estão de fato sujando menos as mãos em papel e tinta. Por incrível que pareça, eu confesso que ainda tenho o hábito de tomar o café da manhã folheando aquelas páginas grandes e difíceis de manusear. Gosto de ler os colunistas e ver o ponto de vista editorial, não só os fatos em si. Até porque realmente não acompanho fatos por jornal.

Mas a verdade é que não devemos ter preconceito ou generalizar. Por exemplo, existe algo mais útil do que jornal em metrô? O contexto às vezes se torna mais importante do que qualquer coisa, sem falar que o uso surpreendente e criativo da mídia em si já provoca um grande impacto. Vou repetir uma frase que usei no post passado e que vem muito bem a calhar nessa história que vou lhes mostrar. "Tradicional não é a mídia, mas o uso medíocre que na maioria das vezes se faz dela".


É exatamente por isso que eu faço questão de dividir esse case da AGE para OLLA com vocês.





video

Tuesday, June 02, 2009

Até quando a gente vai continuar chamando chuveiro de “chuveiro elétrico” :P


Esses dias eu estava pensando o quanto as coisas mudaram e perdeu o total sentido falar de comunicação e comunicação digital.

Eu me lembro que em 95, quando me perguntavam o que eu fazia, eu dizia: “agora trabalho com internet”. Logo em seguida as pessoas me indagavam: “mas, vem cá, você não era diretor de arte? Eu não sabia que você tinha feito computação.” Lembro como se fosse hoje a trabalheira que me dava para explicar que eu ainda continuava sendo a mesma coisa, porém a novidade era que eu havia focado em direção de arte para internet, e que isso não tinha nada a ver com computação!

Hoje, tudo mudou. A internet deixou de ser necessariamente um fim para ser o meio, a conexão e a amplificação das experiências com tudo que está ao nosso redor, ou em nossas vidas. Ela mudou a forma como as pessoas se interrelacionam, como uma dúvida é sanada ou até mesmo como alguém escolhe um novo carro para comprar.

Chegamos a um ponto em que não faz mais sentido falar sobre o crescimento da internet, mas sim sobre o seu gigantismo na medida em que ela vai se tornando cada vez mais transparente em nossas vidas, deixando de ser uma finalidade específica para potencializar o todo, seja através de um serviço corriqueiro no celular ou, ainda, quando se torna palco de narrativas ilimitadas de forma, tempo e local.

Agora, vamos voltar lá no século passado, em 1995, quando a gente “fazia internet”. Realmente, a questão já era muito mais simples porém mais ampla do que a gente conseguia enxergar na época. A nossa paixão pelo espírito libertário deste ambiente acabou separando a internet do resto do mundo. Mas vamos ver pelo lado positivo: essa bendita divergência permitiu uma super-experimentação desse mundo, criando assim, uma grande escola. A escola da busca pela ruptura, a escola de novas narrativas criativas, a escola da interatividade, de novos modelos de negócio, serviços e visões estratégicas diferenciadas.

Esses últimos 10 anos de internet serviram para gerar um legado no mínimo interessante e que tem tudo para amplificar o desempenho e a experiência de todas as mídias, acabando, de uma vez por todas, com esse conceito arcaico de mídias tradicionais e novas mídias. Afinal, convenhamos: tradicional não é a mídia em si, mas o uso medíocre que na maioria das vezes se faz dela, seja TV, cinema, rádio, revista, ou a própria internet.

Enfim, não faz mais o menor sentido discutirmos comunicação digital e analógica, nova mídia ou mídia tradicional, mas sim comunicação, baseada em inteligência estratégica, repertório ferramental e acima de tudo criatividade de verdade, para envolver as pessoas e diferenciar as marcas. Isso sim diferencia o joio do trigo.

Aliás, já dizia Confúcio sobre comunicação há alguns milênios atrás: “Diga-me e eu me esquecerei, mostre-me e eu me lembrarei, envolva-me e eu entenderei”.

Saturday, May 30, 2009

Isobar no Brasil

video
(versão monstro)

Às vezes as palavras estragam quando tentamos descrever coisas que só são perceptíveis quando sentidas ou vivenciadas, powerpoint então nem se fala.

Recentemente me pediram uma apresentação sobre o nosso time ISOBAR no Brasil, mostrando as 2 agências, tanto da AGE como a AgênciaClick. Uma apresentação que abordasse as características de trabalho no dia-a-dia. 1 dia de prazo ;)

Não existe gráfico, case ou descrição mais sincera do que ver no rosto dessas pessoas como elas encaram o dia-a-dia. Enfim, que os "gringos" possam mais do que enxergar, que de fato eles possam se contagiar com esse espírito para enfrentar os dias de hoje. Afinal, é assim que nós encaramos os desafios, seja aqui ou em qualquer lugar.

Ps.: Infelizmente, uma grande parte dos protagonistas dessa história não apareceu no vídeo. Na verdade essas pessoas estavam encarando novos desafios em reuniões externas quando a gravação ocorreu ;)